sábado, 24 de julho de 2010

Docentes sem aumento x Expansão


Os docentes da Uenf não foram contemplados com o aumento concedido pelo governo Cabralzinho para várias categorias do funcionalismo público estadual. Enquanto os técnicos receberam 22% os docentes ficaram na promessa para 2011!
A saída de professores da Uenf devido aos baixos salários se agravou nos últimos 4 anos. Até os concursos públicos promovidos para tentar repor as vagas foram comprometidos: poucos candidatos/vaga (diminuindo a qualidade) e diversas vagas não preenchidas. Se a Uenf ainda não parou com alguns cursos é porque contrata professores por meio de bolsas (por semestre).
No quadro de técnicos também tivemos muitas saídas e várias funções foram comprometidas. Da mesma forma que os docentes, técnicos também estão sendo contratados por meio de bolsa, sem falar na terceirização de diversos serviços (segurança, limpeza, jardinagem, manutenção). Enquanto ainda há concurso para docentes, não se fala na contratação de novos técnicos.
Dessa forma, não entendemos como querem ampliar os cursos e municípios de atuação se não contratam pessoal e não se recompõe as perdas salariais? 
Anunciam  concurso para os novos campi universitários sem a reposição dos servidores em sua sede.
Vejam a nota da ASCOM/UENF:


A expansão da UENF para o Noroeste Fluminense, aprovada por unanimidade pelo Conselho Universitário (CONSUNI), e a ampliação das atividades em Macaé estão entre os tópicos da proposta orçamentária da UENF para 2011. A proposta foi aprovada na última semana (13/07) pelo Conselho Universitário. Por 30 votos contra dois, o CONSUNI definiu em R$ 291 milhões a demanda de orçamento da UENF para o próximo ano.
A expansão para o Noroeste tinha sido aprovada em 18 de junho, por unanimidade. Para viabilizar a demanda, os conselheiros aprovaram o pleito de contratação escalonada de 50 novos professores (15 titulares e 35 associados) e 70 técnicos-administrativos ao longo de 2011 e 2012. A proposição foi encaminhada pela Reitoria à Secretaria de Estado de Ciência e Tecnologia (SECT) em 24/06. Entre outros tópicos, o documento cita uma mobilização da população de Italva (RJ), que gerou abaixo-assinado em favor da implantação de um campus da UENF e teve apoio de 12 prefeitos da região.
Após ouvir a comunidade do Noroeste, uma comissão criada pela Reitoria realizou estudos e indicou possíveis cursos - de graduação e pós-graduaçãostricto sensu - nas áreas de Engenharia de Alimentos, Zootecnia, Engenharia Agrícola e Ambiental, Engenharia de Minas, Assistência Social e Licenciaturas de Pedagogia, Química e Biologia.
Ampliação - Para Macaé, a proposta da UENF, aprovada pelo CONSUNI ainda em 2009, é implantar no campus já existente um Polo ou Centro abrangendo as seguintes áreas: Meteorologia, Engenharia Mecânica, Engenharia Química e Engenharia Ambiental e Sanitária. A proposta, encaminhada ao governo no final do ano (processo E-26/050.027/10), segue o modelo da UENF da indissociabilidade entre ensino,  pesquisa e extensão, com cursos de graduação, mestrado e doutorado. Também está prevista a ampliação das vagas nos cursos já existentes de graduação e pós-graduação na área de Engenharia de Exploração e Produção de Petróleo.
A ampliação da UENF em Macaé também exigirá a contratação escalonada de 50 novos professores (15 titulares e 35 associados) e 70 técnicos-administrativos. Para prover a adequação de instalações e manutenção, estima-se tanto para Macaé quanto para o Noroeste a necessidade de R$ 4 milhões nos três primeiros anos e R$ 2 milhões por ano de manutenção.

Um comentário:

pedlowma disse...

Prezados,

Essa nota da ASCOM para mim resvala na propaganda eleitoral óbvia para o governador Sérgio Cabral. Essa nota, além de estar fora de sintonia com a realidade atual dentro da instituição onde vários cursos estão ameaçados pela falta de docentes e técnicos, também não reproduz qualquer discussão séria sobre expansão. A coisa anda tão ruim que a reitoria da UENF está prometendo criar um curso que sequer existe no Brasil, que é o de Assistência Social! Ora, será que não dos experts reunidos pela reitoria para tratar da suposta expansão em Italva não sabe que o curso existente é o de Serviço Social? Além disso, de todos os cursos sendo anunciados uma quantidade signifcativa sequer teve o processo de criação iniciado como nos casos de Engenharia Agrícola e Engenharia de Minas.

Enfim, isto é uma mistificação só cujo intuito é beneficiar eleitoralmente o governo Sérgio Cabral.

Por essas e outras é que a greve já marcada para o dia 16 de agosto deverá mesmo ocorrer, pois os docentes da UENF não podem mais ficar com salários corroídos pela inflação, enquanto a reitoria pratica este tipo de esbulho institucional.

Atenciosamente,

Marcos Pedlowski
Presidente da Aduenf